segunda-feira, 13 de março de 2017

Capoeira é ou não é religião


Como sabemos, à capoeira vem desde muitos tempos atrás, algumas contradições em diversos assuntos abordados pelos seus historiadores.
Para chegarmos à religião vamos ao apelido do capoeirista! Alguns historiográficos relatam que os negros se apelidavam para quando cometerem algo que não agradece aos seus senhores e lhe fosse ordenado o castigo, o mesmo era procurado pelo nome que foi passado para seu senhor. Ou seja, se José fosse “carrasco”, o seu senhor não iria saber quem era carrasco, e sim, José, então ficava difícil o senhor saber quem era carrasco.

Em uma era moderna para os negros escravos vem à capoeira e nela toda uma historia religiosa. Como sabemos, os negros criaram suas religião devido uma serie de problemas com seus senhores e membros da Igreja Católica, naquela época os negros que praticavam capoeira era ligado à umbanda e aquele que se batizava na capoeira não se batizava em outra religião, pois ele era reconhecido cristão pelos pais de santo que eram líder de terreiro e muitos ate mesmo mestres de capoeira. Sendo que na época não existia mestres como nos tempos de hoje.

Com o passar dos tempos, membros de outras religiões foram despertando interesses em praticar à capoeira e discordando de algumas crenças e hábitos cometidos por alguns capoeiristas.

A tradição do batizado de Capoeira é mantida até os dias de hoje, porém, com algo diferente! “Exemplo” Ao invés de batizar José em nome de Oxóssi, é batizado o carrasco. O aluno recebe um apelido para ser batizado, algo que não devemos acabar, é a tradição do batizado, para que todos entendam, nos tempos de hoje o batizado fica apenas na tradição e nada tem com a religião.
Valem ressaltar, que em nosso meio e em meio à sociedade tem os espiritas, os católicos, os evangélicos, enfim, toda raça crença ou cor, e que devemos respeitar suas tradições, mas à capoeira é distinta de qualquer religião que o queira praticá-la.

Texto criado por Nivaldo Cordelista ( Mestre Graúna).

Nenhum comentário:

Postar um comentário